Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

SorrisoIncógnito

Todo o sorriso é apaixonante devido ao incógnito que o ofusca! SORRIR_um estado de espírito...

06
Mar15

Das más experiências.

Maria

Faz hoje uma semana que da parte da manhã tive que ir fazer umas análises. Aconteceu-me o que nunca me tinha acontecido mas já tinha ouvido bastante falar. Principalmente quando falo por aqui de doarem sangue. Muitas das razões que me dão recaem sobre a vez que foram e a coisa não correu lá muito bem porque a analista/enfermeira não era do melhor e a experiência ficou para não repetir. A verdade é que sendo eu até uma pessoa que gosta de ver a agulha a entrar na veia sem desviar as vistinhas a ver se tudo corre bem nunca achei isso um problema assim tão grande, ou melhor não achei eu que houvesse alguém a trabalhar aí que percebesse o mesmo que eu, ou seja nada, de tirar sangue. Aliás depois do que vi, quando tal faço mestrado há quantidade de vezes que tiro sangue entre doar e análises.

Pois bem encontrei uma senhora que enquanto me lembrar da cara dela é melhor ela manter distância. Ela olhava para os meus braços como quando eu olho para alguém que vai plantar batatas e eu não faço a mínima como fazer sequer os carreiros. Apertou-me o braço ali rés-bés Campo de Ourique com o estrangalhar-me o dito e pegou no algodão e passou no braço ali nas veias uma vez. Duas vezes. Cinco ou seis vezes. Pensei, ou é de mim e eu tenho o braço sujo ou ela não vê um chavo de veias à frente. Se quiser tirar do braço direito as veias são mais salientes, digo-lhe eu. E ela fez aquela cara de quem vê a luz ao fundo do túnel. Arregaça o direito aperta de tal maneira o braço e vê ali uma veia toda catita. Essa mesma, digo eu, ainda há uma semana saiu daí meio litro de sangue. Ela sem dó nem piedade especta a agulha. O sangue começou a sair a medo, aquilo a doer-me e ela não parava de mexer na agulha, às pinguinhas ia caindo qualquer coisa. Tira o primeiro frasco, nem um quarto de sangue tinha, olhando-o disse “este chega”. Saca de outro frasco e nem gota. Não saía pinta de sangue. A desgraçada mexe no frasco para aqui, para ali, para acolá. Torce para um lado, torce para o outro. E eu ali mesmo a desfalecer e a ver a minha vidinha a andar ó para trás. “O frasco deve ter um problema é que não sai nada” disse. Deitou fora novo frasco e nada. Nem pinta de sangue. Aquilo estava nitidamente no sítio errado, como é possível? Eis que teve uma brilhante ideia retira um bocadinho da agulha e vai de a enfiar como se não houvesse amanhã no braço, quase a sair do lado oposto e eis que nos entretantos saiu alguma coisa. Faz pressão na agulha coisa que nem dói (o tanas é que não!) e saíram umas míseras gotas de sangue. Já chega.

Houve ali uns segundos que ao olhar para a dita senhora lembrei-me de uma professora de matemática do secundário que uma vez em plena aula disse que o que gostava mesmo de fazer era a massa e “acartar” os baldes de massa na empresa de construção civil do pai. Nesse ano a minha turma chumbou toda a matemática. Tava explicado. Nem toda a gente é vocacionada para aquilo que segue e há alguns que falham redondamente nisso.

A sério só de me lembrar daquela bestinha a tirar-me sangue até se me contorce o estômago.

2 comentários

  • Sem imagem de perfil

    Cristinix

    06.03.15

    Olá, eu sou daquelas que vira a cara para o lado para não ver a agulha... Eu peço desculpa mas escangalhei-me toda a rir. Sei que deve ter doído, mas tu contaste tudo tão bem que eu consegui imaginar a cena toda e é só rir, é só rir :D
    Beijinho e bom fim de semana.
  • Comentar:

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Este blog tem comentários moderados.

    Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

    Sobre mim

    foto do autor

    Espreitem Como eu Blog

    Expressões à moda das “tripas” do Porto!

    Sigam-me

    <>

    <>

    Subscrever por e-mail

    A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

    Twita-me

    <>

    <>

    Pesquisar

    Arquivo

      1. 2021
      2. J
      3. F
      4. M
      5. A
      6. M
      7. J
      8. J
      9. A
      10. S
      11. O
      12. N
      13. D
      1. 2020
      2. J
      3. F
      4. M
      5. A
      6. M
      7. J
      8. J
      9. A
      10. S
      11. O
      12. N
      13. D
      1. 2019
      2. J
      3. F
      4. M
      5. A
      6. M
      7. J
      8. J
      9. A
      10. S
      11. O
      12. N
      13. D
      1. 2018
      2. J
      3. F
      4. M
      5. A
      6. M
      7. J
      8. J
      9. A
      10. S
      11. O
      12. N
      13. D
      1. 2017
      2. J
      3. F
      4. M
      5. A
      6. M
      7. J
      8. J
      9. A
      10. S
      11. O
      12. N
      13. D
      1. 2016
      2. J
      3. F
      4. M
      5. A
      6. M
      7. J
      8. J
      9. A
      10. S
      11. O
      12. N
      13. D
      1. 2015
      2. J
      3. F
      4. M
      5. A
      6. M
      7. J
      8. J
      9. A
      10. S
      11. O
      12. N
      13. D
      1. 2014
      2. J
      3. F
      4. M
      5. A
      6. M
      7. J
      8. J
      9. A
      10. S
      11. O
      12. N
      13. D
      1. 2013
      2. J
      3. F
      4. M
      5. A
      6. M
      7. J
      8. J
      9. A
      10. S
      11. O
      12. N
      13. D
      1. 2012
      2. J
      3. F
      4. M
      5. A
      6. M
      7. J
      8. J
      9. A
      10. S
      11. O
      12. N
      13. D
      1. 2011
      2. J
      3. F
      4. M
      5. A
      6. M
      7. J
      8. J
      9. A
      10. S
      11. O
      12. N
      13. D
      1. 2010
      2. J
      3. F
      4. M
      5. A
      6. M
      7. J
      8. J
      9. A
      10. S
      11. O
      12. N
      13. D
      1. 2009
      2. J
      3. F
      4. M
      5. A
      6. M
      7. J
      8. J
      9. A
      10. S
      11. O
      12. N
      13. D

    subscrever feeds

    Em destaque no SAPO Blogs
    pub