Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

SorrisoIncógnito

Todo o sorriso é apaixonante devido ao incógnito que o ofusca! SORRIR_um estado de espírito...

Um dia casei-me contigo.

Contigo aprendi o que é ter um melhor amigo à seria. E durante anos foste o amigo do coração. De uma amizade que nunca vi igual. Continuarás a ser sempre o melhor amigo. Continuarás a ser sempre aquele com quem um dia casei, com um ramo improvisado e troca de juras de amor eterno, sem sabermos o que era mesmo isso. Nos dias especiais lembro-nos sempre. Certezinha estaríamos aqui a contar as peripécias um ao outro que nos aconteceram. A contar as novidades das novas amizades coloridas. A rir como se não houvesse amanhã naquelas longas conversas acompanhadas com um fino fresquinho.

Não percebo quem apaga passado porque as pessoas e a vida fez com que os caminhos fossem diferentes. Se assim o fizesse seria um vazio de nada. Assim sou eu com tanto de tudo o que tenho vivido com as minhas pessoas. E as amizades serão sempre  lembradas mesmo que não continuem as mesmas. E tu és dos bons. E vou querer-te sempre o melhor. Vou ficar sempre contente com as tuas novas conquistas. Hoje sorrio por nos tratarmos após tantos anos da mesma maneira. Amizades para a vida.

Às vezes tenho saudades de um dia ter-me casado contigo.

O que te faz lembrar o teu primeiro grande amor?

Sim, já lá vão uns bons anos. Mas o nosso coração é automático e o meu para associar músicas a pessoas é tiro e queda. Nem é bom.

Do acaso, andava a navegar no youtube, quando me "recomendaram" uma nova música do Chayanne. Não o ouvia há anos. Mas mal li o nome automaticamente começaram a surgir palavras no pensamento com lembranças bem antigas. E lembrei desta música, não me lembrava o nome, mas mesmo depois de não a ouvir há quase quinze anos a letra sei de cor. Cantava isto vezes sem conta. Assim que comecei a ouvir passaram flashes de memória. Isso e quase parece que senti aquelas palavras a serem sussurradas ao meu ouvido...

O coração é tramado.

Sim isto era muito lamechas, mas com tantos amigos a viver em Espanha houve uma fase que eu ouvia bastante música espanhola (sim já aqui confessei o meu atrofio pelo Alexandro Sanz).

 

"Una noche le luna, a la orilla del mar
Es el lugar perfecto para conversar
Para decirte lo que estás provocando
Quiero robarte un beso y contarte mi amor
Es tan corta la vida y tan largo el dolor
Que el deseo de tenerte me está quemando.

Y es que estoy 100% enamorado
Esclavo de tu piel
Y el roce de tus labios
Que nunca me han besado.

Échale leña al fuego, candela
Que quiero ser la llama en tu hoguera
Échale leña al fuego, candela
Y dame el cielo de tus caderas
Échale leñaa al fuego, candela
Déjame recorrerte entera
Échale leña al fuego, candela
Y después has de mí lo que quieras.

No dejes que el temor haga blanco en tu piel
Déjame regalarte un nuevo amanecer
Y ve nacer el sol en cada latido.

Aférrate a mi pecho, abrázame con fuerza
Siénteme despacio y ábreme las puertas
Que una vez cerró tu corazón herido.

Porque voy a borrarte con mis manos el ayer
Y amarte tanto y tanto
Como jamás te amaron."

Desafio 52 semanas | Semana 45/52

Semana 45: Lembra-me a minha adolescência.

 

O meu primeiro namorado - Cantor - O meu primeiro namorado, é cantor, já o era na altura. E sempre que o ouço cantar é impossível não me remeter a essa idade. Idade de acharmos que já temos pêlo na benta e já sabemos muito bem o que queremos, idade que já pensamos no amor ser para toda a vida. E sofremos como se a vida acabasse já ali quando as coisas já não o são, mesmo quando somos nós a já não querer sem ter noção do que realmente queremos (confuso? sim a adolescência é por si só confusa). Aquelas primeiras músicas cantadas ao telefone para "aprovação". Há coisas que não se esquecem e há pessoas que nos levam imediatamente para fases da nossa vida.

Os amigos do meu irmão - Comecei a sair cedo. Comecei a sair cedo com os amigos do meu irmão e sempre fui, apesar de ser sempre novita à beira deles bem tratada, sempre me levaram para todos lado sem problemas, até para as férias. Hoje sempre que os encontro chamam-me "Mariazinha" sempre. Quando muitos podem não achar piada, eu amo, sei que é com o maior carinho que o fazem. Eu fui sempre a mana mais nova de todos. Há um carinho que ficou sempre. Hoje é isso que me lembro. Que tenho. Que guardo.

Cartas - Tenho tantas ainda guardadas naquela gaveta das memórias. Cartas dos namorados, dos admiradores, da melhor amiga enquanto estava emigrada. Da família que estava longe. De pessoas que já cá não estão. Coisas que já não se usam e que deixam tanta saudade. E que confesso gosto de abrir lá de longe a longe. Só para sentir um pouco daquilo bom que senti na altura.

Nazaré - Preciso, por falar nisso de lá voltar novamente. Na adolescência todos os verões passava lá férias, primeiro com os amigos do meu irmão, depois juntando os meus amigos. Também com o namorado. Foram alguns anos seguidos a voltar sempre lá. Já fui muito feliz em Nazaré. Tenho imensas recordações, muitos risos e choros. Aquela "idade boba". Muitas aventuras. Cheiros bons. Comida do melhor. Gente simpática. O mar. Pela manhã, pelo dia, pelas noites, os amanheceres, o pôr do sol. O falar a cantar. O bláblá bar. O jogar bilhar num café ao lado do Bláblá que não me recordo o nome. A D. Maria que alugava quartos e chegamos a ficar lá algumas vezes. Daquele picadinho de madrugada naquele restaurante que batíamos à porta e alguém abria um postigo para ver quem era e nos deixava entrar. O Guilherme que trabalhava num bar por quem tive uma "paixoneta de verão" e ainda guardo uma pulseira que me deu antes de vir embora (mas nem me lembro da cara). A carne de porco à alentejana servida no melhor restaurante com as melhores pessoas que conheci n'"A tasquinha" que fazia valer todo o tempo de espera mesmo reservando sempre. Do paredão e das conversas que tive lá deitada. Tanta coisa que me lembra que só de falar apetece seguir viagem já!

Revista Super Pop e Ragazza - Tinha uma maluqueira qualquer por essas revistas na altura. Ainda hoje não percebo, porque raramente compro uma revista sobre o que quer que seja. Mas na altura contava os dias para ver quando elas chegavam à banca. Eram os testes que tinham para se responder, os brindes. Os posters. Os cromos. Os autocolantes. Uma loucura só vista.

#52semanas

E desse lado, o que vos lembra a adolescência?

Das histórias da vida...

Hoje acordei com uma mensagem do facebook a lembrar as minhas memórias:

"Faz sete anos de amizade no facebook com o "João""

"O João foi, durante anos largos, o meu melhor amigo. Conheci-o com quatro anos e passámos juntos todas as fases parvas:
- a de eu o odiar simplesmente porque era rapaz e parvo;
- a de ele não me suportar porque eu era uma pitinha estúpida;
- a de eu o amar platonicamente porque era um caloiro de Filosofia com quem os temas de conversa não se esgotavam;
- a de ele me achar piada porque tinha uma lata descomunal;
- a das conversas telefónicas prolongadas, dos toques para o bip, das primeiras sms;
- a de eu acreditar que nunca teria hipóteses com ele porque me via como uma irmã mais nova;
- a de ele acreditar que nunca poderia ter nenhuma relação comigo porque era demasiado fútil e só andava combetinhos e surfistas da banheira;
- a das cartas escritas à mão e postais de design enviados em tempos de férias;
- a de ambos nos conformarmos e de partirmos para outras;
- a de ele arranjar namoradas atrás de namoradas e de eu delirar cada vez que não resultava;
- a de eu arranjar namorado e lhe contar em primeira mão que tinha perdido a virgindade;
- a de ele acreditar que o meu namoro não ia durar por aí além;
- a de eu perceber que o namorado tinha vindo para ficar e o que sobrava da história com o João era uma belíssima amizade;
- a do João se lembrar que era agora ou nunca;
- a de nos termos enrolado;
- a de um de nós perceber que o enrolanço não tinha sido a melhor das ideias;
- a de nos zangarmos;
- a de eu voltar para o namorado que ele odeia;
- a de ele arranjar uma namorada- desta vez mesmo à séria- e eu (obviamente e de forma assumidamente ressabiada) achá-la uma baleia;
- a de não nos zangarmos, mas simplesmente deixarmo-nos de falar.
 
O João continua a ser o meu melhor amigo. Sinto que, apesar do desfecho, foi maravilhoso tê-lo tirado de cima do armário.  E, ainda que sem nos vermos e nem nos falarmos, penso que finalmente acertámos o passo e estamos em sintonia. Acabaram-se os encontros. Mas também os desencontros. Tenho saudades.
Mas gaja que é gaja tem ou já teve um João."

Não podia deixar de partilhar (e não sei se já o fiz antes) este texto da Pólo Norte que me marcou há tanto tempo... porque afinal de contas, gaja que é gaja já teve um "João". E a amizade com o "meu" "João" faz hoje sete anos no facebook, mas muitos mais na vida.

E, ainda que sem nos vermos e nem nos falarmos, penso que finalmente acertámos o passo e estamos em sintonia. Acabaram-se os encontros. Mas também os desencontros. Tenho saudades.

Todos temos uma criança dentro de nós...

Todos temos uma criança dentro de nós. E o bom que é não esquecer isso, mesmo que, na realidade essa criança tenha crescido e não consiga ter a inocência que um dia teve. Mas acreditar que ela está lá e tem vida é meio caminho andado para viver melhor esta vida.

A criança que existe dentro de mim tem saudades.

Tenho saudades de jogar à macaca; ao um, dois, três macaquinho de chinês. Tenho saudades de jogar à bola na rua e não ter a noção do porquê de insistirem no “cuidado com os carros”. Eles eram mais escassos e a rua parecia tão grande. Tenho saudades de ter os joelhos esfolados do skate, dos patins, dos malhos no campo de futsal em cimento, dos malhos por andar a subir muros e dos esbardalhanços no chão quando ia toda tropeça a correr. Tenho saudades de com dois blocos de cimento e uma tábua fazer uma baloiço, de andar de bicicleta sem medo mesmo não chegando com os pés ao chão e do cair para as silvas fazer parte. De insistir em jogar ténis com uma raquete profissional mesmo não tendo força sequer para a levantar. Tenho saudades de fazer covas na terra e jogar ao berlinde rastejando no chão. Saudades de esconder os carros do mano no congelador ou no quintal. Tenho saudades de ficar a jogar futebol no recreio da escola depois das aulas terminarem. De subir às árvores para roubar fruta. De me esconder nos campos de milho ao jogar à cuca e no dia seguinte ouvir os vizinhos dizer “ai se eu descubro quem andou em cima do milho”. De entrar sem medos no tanque de água gelada e aquilo parecer uma piscina olímpica. De cozinhar apenas em panelas de plástico. De ter um bebé filho/sobrinho/afilhado lindo que só dava trabalho quando nós queríamos e dava-se pelo nome de Nenuco. Tenho saudades de ter a minha pastora alemã a ir-me buscar à escola, a proteger-me as costas como ninguém e a fazer de meu cavalo quando lhe saltava para as costas. Saudades de ver a roupa deixar de me servir porque estou em fase de crescimento. Saudades de não ter que ir ao hospital ver ninguém porque aquilo não é lugar para nós. Saudades de não ter a noção do porquê as pessoas seguem caminhos diferentes e não olham mais para trás. Tenho saudades de ter perto, os tios, os primos, o mano, o melhor amigo, as amigas e a minha aldeia ser um Mundo. Tenho saudades de jogar basquete sem ter medo de partir as unhas. Tenho saudades da loucura das sextas-feiras à tarde na discoteca pelas primeiras vezes, quando só queríamos música e luzes. Saudades de ser feliz com uma nota de 500 escudos que dava para uma semana e ainda sobrava. Saudade da liberdade que sentia por ter um cartão de estudante com autorização para sair. Saudades de não saber o que são redes sociais. De não ter que andar com telemóvel. E de encontrar sempre quem eu queria onde sabia. Ou de na loucura usar uns walkie talkie e aquilo ser de outro mundo. De falar sozinha e não acharem que posso estar doente. De cair à noite à cama e adormecer antes mesmo de tirar a roupa e alguém vestir-me o pijama. Tenho saudades de abraçar, beijar e dar as mãos a alguém sem medos, sem maldade, sem segundas intenções. De não entender. De sorrir sempre e só chorar porque o tombo que demos ainda valeu um puxão de orelhas da mãe.

Saudade desta criança que temos dentro de nós que a cada fase que passa perde mais um bocadinho da inocência que caracterizou a nossa infância, a nossa juventude, o início da nossa maturidade e agora nesta seca do ser adulto. Tenho saudades de não saber o que é ter saudades.

Todos temos uma criança dentro de nós e eu tenho saudades da inocência desta minha criança.

Desafio 52 semanas | Semana 11/52

 

Semana 11: Os meus brinquedos favoritos na infância eram...

 

Bonecos Chorões - Nos anos 80 haviam uns bonecos chorões, grandes que eu adorava, tive alguns, inevitavelmente acabavam sempre da mesma maneira, sem cabeça. Fruto do meu irmão se vingar das coisas que eu lhe fazia.

Legos - Perdia-se horas naquilo.

Monopólio - Jogar monopólio significava juntar os vizinhos e ficarmos até às tantas naquilo. Ora na casa de um de nós, ora nos passeios na rua. Mais que o jogo era o convívio que fazíamos e isso não tem preço.

Nenuco - Ainda mora lá em casa, o Nenuco loiro de olho azul. Anda tenho a "sobrinha" que gosta de ir para lá brincar com ele. E ele traz-me lembranças óptimas.

Carrinhos - Sempre fui uma Maria rapaz e gostava de brincar com os carros do meu irmão muito mais que com as barbies e as outras bonecas. Gostava especialmente de uns que mudavam de cor com a temperatura, então eu escondia-os no congelador/arca.

Bola - Inevitavelmente, tudo o que tivesse uma bola eu parava no tempo, Ora jogar futebol, ora jogar basquetebol, ora jogar ténis, ora jogar voleibol.

#52semanas

E vocês, com o que brincavam mais que vos dê uma saudade só de falar?

Coisas que me dão a noção de como o tempo passa! *15*

Eu sou do tempo do “e vai milho”; do brincar ao elástico; à cuca ou às escondidas; de brincar ao 1,2,3 macaquinho de chinês; de jogar à macaca; ao berlinde, às fisgas. Sou do tempo dos walkmans (e do que era ter uma caneta para quando a fita das cassestes saía toda), dos walkie talkie (e da verdadeira aventura que era usá-los), das cassetes VHS (ainda tenho lá para casa algumas com gravações do Dragon Ball!!). Sou do tempo das chiclas gorila e das Peta Zetas. Sou do tempo de jogar futebol na rua e cada vez que a bola ia parar ao quintal dos vizinhos ouvir um raspanete. Sou do tempo de ir a pé sozinha para a escola e para a catequese. A minha mãe tinha mais que fazer que me ir levar. E no inverno quase nem me mexia pelo caminho com as camisolas quentes, o kispo, o gorro, o cachecol e as luvas, claro o guarda-chuva e a mochila carregada. Sou do tempo de brincar às casinhas nas árvores cá fora. De dar uns murros no saco de areia pendurado no alpendre e as mãos ficarem a doer até mais não. Sou do tempo de jogar monopólio na rua com as crianças vizinhas. Do tempo de chegar à varanda e chamar bem alto pelo nome da minha amiga para combinarmos ir brincar as duas. Sou do tempo do triciclo e nunca houve cá nada a motor. Contando que na maior parte das vezes ficava com o que já tinha sido do meu irmão que era mais velho e não dava para comprar para os dois. Mesmo que fosse cor de rapaz. Btw também sempre fui uma Maria rapaz. De jogar tetris na game boy e do Super Mário na Super Nintendo (coisas que ficavam para mim do primo rico de Lisboa). Sou do tempo do jogo do galo, do jogo do stop com as palavras, do quem é quem. Sou do tempo de as aulas acabarem e ficar na escola, no recreio de terra batida, onde com duas latas ou pedras fazíamos as balizas, até anoitecer. Sou do tempo de ir sozinha passear o cão, mas quem me passeava era ele. Sou do tempo de chegar a casa toda arranhada das silvas mas quem me curava era a minha mãe. Do tempo de pegar no lanche e pôr na mochila juntar-me com os primos e amigos e ir conhecer as montanhas, hoje são trails. Sou do tempo de todos os vizinhos saberem quando o jantar estava pronto, ou de quando estava a demorar a entrar em casa pois a "chamada" baseava-se quando a minha mãe gritava “Maria já para dentro!”, quando chamava pelos dois nomes próprios era malha na certa. Não havia cá telemóveis. Computador e Internet era coisa para os pais empresários. Sou do tempo dos joelhos todos esfolados das quedas de bicicleta porque claro não usava capacete muito menos joelheiras.

As crianças hoje em dia são felizes. Oh pá mas antigamente é que éramos. Há uma felicidade na inocência que se perde nos dias que correm. A inteligência de mexerem num smartphone tão pequeninos, jogarem no tablet e na playstation. Terem todos os brinquedos que querem de ultima geração. Verem todos os dvds do x e da y. Terem um carro que as leva à porta da escola e as vai buscar, mesmo morando a 200 metros. É outro mundo. O mundo está diferente. Mas o antigamente dá uma saudade quando olho para a infância de agora! Como o tempo passa, como as coisas mudam.

________________________________________________________________________________________________

AVISO

 

Não se esqueçam dentro de dias o endereço do blog vai mudar para: sorrisoincognito.blogs.sapo.pt

 

O amor é um lugar estranho.

Frases blog9.jpg

É tão bom acordar contigo ali ao lado. Aconchegar-te e ficar a olhar-te. É tão bom ver a tua paz. Esta nossa cumplicidade. É tão bom ver os nossos sorrisos, as nossas palavras, os nossos sussurros. Este laço que nos transborda. É tão bom vestir a tua camisa e correr para a cozinha para preparar-nos o pequeno almoço. E ver o teu sorriso encantado ao aproximar-me da cama. É tão bom o som das nossas gargalhadas enquanto lutamos por um lugar no chuveiro. É bom, é-nos bom isto. É boa a desculpa de gostares de comprar maduro tinto para a colecção e eu gostar de o beber. Contigo. E embalar-nos na música a tentar acertar passos. Tontinhos não conseguimos terminar uma única dança. É passear abraçados só para que me leves agarrada no teu braço brincando entre apertos. E mais gargalhadas. É tão bom, contigo, isso tudo é bom. E é voltar a adormecer com as tuas palavras. Bem ali do lado. Sem distâncias. Sem pressas de sair dali. Não é não gostar de ir. Mas é muito mais por gostar de ficar…

É trocar o “é” pelo “era”, o “são” pelo “eram”, o “esta” por “aquela”, o “este” por “aquele”… e todo o sentido muda. 

O agora. O antes. O depois. A vida.

[ ♥ ]

________________________________________________________________________________________________

AVISO

 

Não se esqueçam dentro de dias o endereço do blog vai mudar para: sorrisoincognito.blogs.sapo.pt

 

SorrisoIncógnito

É proibida a reprodução parcial/total de textos deste blog, sem a indicação expressa da autoria e proveniência! Todas as imagens aqui visualizadas são retiradas da internet, com a excepção das minhas as quais identifico. Do mesmo modo, este blog respeita os direitos de autor,mas em caso de violação dos mesmos, agradeço ser notificada.