Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

SorrisoIncógnito

Todo o sorriso é apaixonante devido ao incógnito que o ofusca! SORRIR_um estado de espírito...

Futebol é (também) isto.

Ontem começou a Liga dos Campeões para o [meu] Porto.

O jogo foi em casa com o Besiktas e não nos correu da melhor maneira. Entramos a perder na Liga por 1-3.

Falhamos na concretização, até porque oportunidades não faltaram. 

Do jogo valeu a saída de campo do meu ciganito do coração com todo o dragão a levantar-se e a aplaudi-lo 💙💙
Ele com a mão ao peito. 

 

Quaresma, ainda com declarações como: "desde que sou profissional, acho que foram os piores 90 minutos que tive, porque por muito que tente, não consigo deixar as emoções de lado e serei portista até morrer"; "tentei ser o mais profissional possível mas não é fácil".

Foi uma imagem muito bonita, eu sei que sou suspeita de o fazer, sou portista de coração e o Quaresma ficou-me no coração há muitos anos. Tem raça de Porto. Tem Porta na alma. Sou suspeita mas... é sempre bonito um estádio aplaudir um ex-jogador. Um adversário. Mas ele não é um adversário qualquer. Continua a falar do seu clube do coração imensas vezes. E continua a saber senti-lo. De mão ao peito e de olhos emocionados, foi assim que respondeu aos aplausos.

Futebol é (também) isto.

F.C. Porto 1 x 3 Besiktas (1º Jogo  fase de grupos da Liga dos Campeões)

[Meu] Porto

Começa [nos] hoje uma nova época.

Que venha com aquilo que tem faltado e que o Sérgio Conceição traga, conforme já tem demonstrado, trabalho, esforço, garra, empenho, luta, trabalho, eficácia, garra, trabalho, alma e a mística de dar tudo por tudo dentro de campo de cabeça erguida e mão ao peito, em prol do clube do qual gostamos, [meu] PORTO.

Vai com tudo.

 

20170809_162253.jpg

Maria, fala lá de futebol que essa tua tiróide não aguenta.

Já há muito que tento não ficar com as coisas engasgadas cá dentro porque este problema da tiróide sofre. E não estou cá para sofrer. Vai na volta o que tenho a dizer digo. Mas e do futebol que não tenho falado? Do futebol que não tenho discutido? Do futebol que tanto nervo me tem dado?

Só Deus sabe e os meus amigos também como sofro com um jogo do [meu] FCP

Fica tudo ali durante o jogo. Ontem no fim do jogo quem olhasse para mim não via, mas por dentro estava como o Felipe aquando o fim do jogo, ou mesmo como o Danilo a escorrer sangue. Senti que eles deram quase tudo dentro do campo, assim como eu, fora. Gritei, zanguei-me, disse milhentos palavrões. Sentei-me, levantei-me. Virei a cara e tentei roer unhas. Bati demasiadas vezes com a mão na perna porque a mesa não estava ao alcance. Desejei não ter jantado antes e pedi um chá no final. Aquilo para quem gosta de futebol enerva mesmo. Eu não posso. A tiróide não gosta e convenhamos o raio do herpes está sempre há espera de uma desculpa esfarrapada para voltar a aparecer. Grande merd@.

Que jogo nhec. Primeiro resmunguei porque achei que não estavam a jogar para ganhar e não estavam. Primeiro achei que aquilo estava a engonhar demais e engonhou. Primeiro os meus olhos enevoaram ao pensar que não íamos aproveitar o que havia para aproveitar. Rais parta que não aproveitamos mesmo! Depois achei que a estrelinha não estava lá, em vez disso estava um Vaná com o diabo a quatro que defendia bolas como eu como gelados.

Não me quero resumir a falar de arbitragens, porque isso resumia(-me) este campeonato. Mas o Porto ontem poderia ter feito mais, a estrelinha também se finta. Tem que se fintar. Em noventa minutos há muita finta para se fazer, em vez de se lamentar a falta que um Brahimi ou um Corona nos possa estar a fazer. E a entrada do Rui Pedro só comprovou que há sangue azul para se aproveitar.

E embora não possamos também nós Porto, "dar tudo" como referiu o Vítor Bruno do Feirense que deu (oh se deu), visto que até as nossas palavras valem mais (expulsões/castigos) que a agressividade física em campo, temos que tentar dar sempre o melhor futebol que temos para dar. Sem medo. E com vontade.

Sou Porto. Continuo a ser. Serei sempre. De corpo, coração, alma e vontade. Vontade de rasgar a toalha antes mesmo de a deitar ao chão...

"Um Portista só abaixa a cabeça para beijar o símbolo"

 

Só Deus sabe e os meus amigos também como sofro com um jogo do [meu] FCP

E eu gosto sempre de tentar ser justa quando falo do que quer que seja que se passa dentro das quatro linhas até porque o futebol é muito bonito, mexe com muitas emoções e nem sempre é fácil ver com olhos de ver e não com olhos de coração. Se é que me entendem. Ontem era mais um jogo importante na liga dos Campeões. Um jogo difícil como são todos. Até porque a bola é redonda, os jogadores são humanos e as equipas de arbitragem também. Sim o treinador também o é. E nós, adeptos, treinadores de bancada e jogadores melhores que os que lá estão também (#soquenão). O momento chave do jogo e que mudou toda uma estratégia foi sem duvida a expulsão do Telles. E pouco há a dizer sobre isso. Pelo que entendo foi bem expulso. Permitam-me, o primeiro amarelo que levou poderia ter sido vermelho, a entrada não é bonita, é desnecessária e a ser mesmo concretizada poderia ter prejudicado bem o adversário. Foi amarelo. Ponto. Siga. Passado dois minutos tem a outra entrada e outro amarelo, logo expulso. Deveria ter agido com cabeça. A segunda entrada não é assim tão escandalosa como a primeira, mas para quem já tem um amarelo acabado de levar tinha que ter calma. Não o condeno pela derrota, mas foi uma falha que aconteceu em segundos desses que não se percebem em qualquer momento da vida. Aqueles segundos em que nos pára o cérebro estão a ver? Quem nunca?! E acredito que ninguém mais do que o Telles tenha ido para o balneário com a maior frustração pelo erro cometido. Só a cara dele  à saída do campo e a cara do André Silva ao ser substituído. Não sei se foi a melhor opção. Estávamos num jogo numa competição nova para Soares, numa situação de reestruturação de táctica e que precisava de experiência. A meu ver. André Silva (que também não tem assim tanta experiência mas mais que Soares) poderia ser melhor nas saídas e nas bolas altas, se bem que aquele sangue à Porto poderia intervir e aquecer quando ali, começava uma prova de manter a calma. Mas acho que faltou a Soares cabeça em alguns lances. Insegurança talvez. Não tirando o mérito ao adversário que esteve sempre numa posição atacante e a fazer a devida pressão. Mas muito aguentaram os jogadores do Porto até ao primeiro golo. Em inferioridade numérica ainda conseguiram travar muitos ataques e conseguiram sair com a bola. O desgaste foi o que se viu. O primeiro golo em mais um momento de pouco sorte para o porto com a infelicidade da bola tocar em Layún e ficar a jeito para o remate certeiro. O segundo golo poderia ter sido evitado, mas quiseram arriscar logo após sofrer o golo e subir para atacar e o segundo golo matou o jogo.

Não tenho muito a dizer aos jogadores, porque concordo com o que Felipe disse, fizeram o que puderam enquanto equipa em inferioridade numérica desde os vinte e poucos minutos. Do árbitro? falar de arbitragens conta para quê? Sim acredito que a meu ver houve alguns erros de arbitragem. Não falo da expulsão como já disse antes. Mas acho que em lances contra o Porto não havia dúvida nenhuma em apitar já contra a Juventus... não consigo perceber como Higuaín acabou o jogo sem um único amarelo. E o lance do Lichtsteiner pela entrada dura ao Herrera? Cuadrado não ficou com marcas nem o Lichtsteiner pela entrada do Telles mas já o Herrera... e convenhamos ele já não tem um pé bonito para ainda precisar daquela brutalidade toda e acabar o jogo e levar 17 pontos.

Adiante. O futebol também tem partes menos bonitas. Mas não devia.

Bonito foi o abraço de Casillas e Buffon. E a troca de camisolas. Que dois gigantes. Que imagem bonita de se ver.

Para o próximo mês há mais, e como diz o Alex Telles que aprendeu no Porto e eu também, "um Portista só abaixa a cabeça para beijar o símbolo".

 

É difícil, mas nada está perdido.

Siga [meu] Porto

F.C. Porto 0 x 2 Juventus (1ª Mão dos oitavos-de-final da Liga dos Campeões)

Sobre o jogo de FCP e o melhor que li por aí.

"Não podemos fazer um jogo "à benfica" que ficam logo todos nervosos..."

Depois de até eles gozarem com o seu próprio "colinho" ontem gerou-se uma manifestação qualquer por aí que não se percebe.

Sabem aquela do "pimenta no cu dos outros para mim é refresco"? É isso.

É preciso é ter calma que isto é apenas futebol!

Nos Super o espírito é outro

 

Gosto mesmo é de pessoas que se escondem atrás de uma máquina qualquer a mandar bitaites do que quer que seja porque acham-se esperts de futebol e que o clube que carregam ao peito é o melhor de todos os tempos e nunca, mas nunca vêem um jogo com olhos de ver mas com o que sentem. É tão fácil para todos, incluindo eu, ver com o coração! Gosto dessas pessoas que quando ouvem alguém ou lêem algo de alguém de outro clube não lhes interessa as palavras no final o que expressam apenas e só é insultos. Gosto ou muito provavelmente não. Gostar de futebol é gostar um bocadinho mais acima disso. É eu ser portista de coração e saber que muitas vezes não jogamos nada e tudo o que escrevem a nosso respeito é a mais pura das verdades. Eu serei sempre Porto. Isso não se discute. Jogue melhor ou pior. Mas para o ser e sentir não preciso de insultar, ofender e não ver outro futebol. À parte do jogo dentro das quatro linhas, existe o maior jogador, os adeptos e ir ver um jogo de futebol é uma experiência que deve ser vivida por gregos e troianos. O estar ali ao vivo é toda uma nova visão das coisas e acabamos por nos afectar por todos os diversos factores inerentes ao jogo. Mas ir ver um jogo nos Super? O espírito é outro (e aqui vale para as claques de outros clubes, que o que interessa falar é a emoção que lá se vive). Há uma adrenalina totalmente diferente e depois não se explica, aquilo sente-se. Mesmo! Já não é a primeira vez que vou para o meio dos Super Dragões ver um jogo, mas nunca num clássico. Ontem tinha a oportunidade de ir para a central, mas com todos os prós e contras num jogo destes, a vontade recaiu em ir para os Super. Ali sente-se a paixão pelo futebol. Nós sabemos que uma ou outra vez podemos não concordar com atitudes das classes, das outras e da nossa, mas que ali há um amor pelo emblema que carregam não se discute. Há garra, lealdade, amor, paixão, canta-se, grita-se Porto sempre, salta-se porque não se é lampião. Vibramos, discutimos, batemos palmas. Não sossegamos. Não somos politicamente correctos, não estamos sentadinhos e não omitimos palavrões. Somos humanos, ali mesmo a ver o nosso maior a jogar. Ali eu vivi um Porto-Benfica como não tenho memória. Com um coração sempre em êxtase com o que acontecia dentro e fora das quatro linhas. Sem infiltrados e com um tom único, a perder ou a vencer, eu SOU PORTO até morrer.

 

Num jogo em que fomos literalmente melhores e maiores, não merecíamos o empate com o golo deles já em descontos. O mérito não é deles. Atribuo antes as culpas não só a Herrera, porque falhas todos cometemos, mas não consigo concordar com a substituição.

Eu quero um treinador que entre para campo sempre com a mesma convicção que eu entrei ontem para o meio dos super, com determinação, com garra, sem medos e arriscar. O Porto tem a mágica dele. Não a queiram tirar.

Porto sempre.

 

Porto - Benfica.jpg

FCPorto 1 x Benfica 1

A grande Final - Euro 2016!

FB_IMG_1467331971945.jpg

 

Durante um mês, vesti mais que a camisola deste Euro 2016. Vesti a emoção de cada jogo, dos empates das vitórias. Sofri agarrada às minis e aos petiscos como não há memória. A bandeira sempre esteve na varanda desde o primeiro minuto, até o vento a levar, mas já lá está outra ainda maior. Emocionei-me com atitudes de quem veste a camisola mais bonita dentro de campo. Portugal. Portugal. Gritei vezes sem conta a cada passagem.

No dia de início do Euro deixei aqui a mensagem de apoio incondicional desde o primeiro minuto de jogo que jogássemos. Até onde desse e assim o fiz. Escrevi sobre este Europeu, sempre que jogamos e sempre que a emoção queria tomar conta de mim e converter em palavras e o que vai cá dentro. Mostrei que as mulheres também podem gostar de futebol, falar de futebol e trocar programas mais femininos por um programa que inclui futebol. Sem desculpas, puderam começar a saber os nomes de quem joga pela selecção sem ser o Ronaldo ou o [meu ciganito] Quaresma. O que é um fora de jogo, ou mesmo as tentativas de nos roubarem o sonho de chegar onde chegamos. Podemos não ter jogado bonito em todos os jogos. Podemos não ter ganho os jogos por goleadas, ou podemos ter passado a fase de grupos à rasquinha. Mas passamos sem ser levados ao colo e com penaltis roubados em três deles. Não precisamos que nos passem a mãozinha nas costas. Desde que toda a gente veja o que merecemos, está ganho. O que é preciso é estar do lado deles. Basta de treinadores de bancada, porque ninguém vai lá dentro e faz melhor. Aqueles são os escolhidos. Aqueles são o que podem fazer com que a gente sonhe. Sonhe muito. Isto é um sonho. De momentos. De momentos que vão ficando. Sem clubismos que tornam tudo tantas vezes difícil no futebol. Mas aqui é de braços todos numa só cor. PORTUGAL.

E se alguém viu o vídeo que publiquei no início do Euro, vejam este e tentem não se emocionarem como na Marcha inicial de uma Nação:

 

É a hora. Chegou a nossa hora. Estamos na final.  Eu acredito.

Confiança. Atitude.

Estamos juntos. Às 20h.

Força PORTUGAL

Euro 2016 (França) 10/07/2016 - PORTUGAL x  França (FINAL)

Então Maria, o que pensas de nos calhar França para disputar a final do Euro?

portugal frança.JPG

 

"Independentemente de quem apitar vamos ter de jogar três vezes mais e não permitir que a bola entre dentro da grande área, se tal acontecer à primeira brisa sai penalty."

Tal e qual. O Sr. Paulo Azevedo sabe o que diz. Eu concordo.

SorrisoIncógnito

É proibida a reprodução parcial/total de textos deste blog, sem a indicação expressa da autoria e proveniência! Todas as imagens aqui visualizadas são retiradas da internet, com a excepção das minhas as quais identifico. Do mesmo modo, este blog respeita os direitos de autor,mas em caso de violação dos mesmos, agradeço ser notificada.