Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

SorrisoIncógnito

Todo o sorriso é apaixonante devido ao incógnito que o ofusca! SORRIR_um estado de espírito...

Mulher sofre #2

Há um mês partilhei aqui um dos dramas de uma mulher.

" Aquele momento em que te apercebes que estás a um mês de um casamento e que não tens vestidos que te sirvam. O drama. O horror. Mulheres entendem-me? Não me apetece gastar dinheiro, até porque a um mês do casamento nos entretanto tenho a Páscoa e uma afilhada, tenho as minhas primeiras férias do ano que incluem viagem de avião, uma semana para gozar, uma comunhão e prenda para o melhor sobrinho do Mundo. E de seguida o casamento com prenda para os noivos. Comprar vestido? Não faço questão. Mas... (há sempre um mas) fazer o quê quando vais ao guarda-roupa e os vestidos não te servem?

Estou tramada. "

Estava a um mês de um casamento. O casamento é já amanhã. E novidades?

Pois. Nos entretanto foi-se a Páscoa. E tinha chegado à decisão de como não fazia questão e não dava mesmo jeito nenhum comprar um novo vestido, usar um dos que já tenho. Adiante. O próximo passo era eles servirem-me. Só que não. E então resolvi mudar alguma coisa, para conseguir caber dentro de um que seja. Quem me conhece sabe, o doloroso que para mim é tudo o que envolva comer menos. Sou uma #MariaTexuga mais que assumida. E nunca me vi na situação de "ter mesmo que ser". Pelo menos se o objectivo é usar um vestido que já tenha, não havia outra opção. Nos últimos meses tinha aumentado o meu peso em seis quilos. Seis. Mas isso são outros quinhentos. O importante era perder parte pelo menos até que um que seja servisse. Não foi preciso beber coisas verdes e comer sementes. Não foi preciso passar fome e deixar de comer. Isso era ponto assente que falhasse logo à partida. Mas a primeira regra foi, tentar não repetir. Acreditem, eu raramente como apenas um prato de comida. Encho o prato duas ou três vezes. E passava por aí. Então comecei a tirar comida para o prato só uma vez. Achei que não podia ser só isso e com isso comecei a intensificar as minhas caminhadas. Caminhar o mais possível, sendo que calhou logo num mês em que estava a sair tarde do trabalho, mas tentei ao máximo durante quinze dias, à noite ir andar o mais possível. No telemóvel marcava 5klms. Era o que tinha que fazer pelo menos. E fiz.

Assim até ao dia de ir de férias consegui perder três quilos. Com as caminhadas e com a redução para um prato apenas de comida às refeições. E com o lanche para coisas mais saudáveis, entre iogurtes, fruta ou bolachas menos calóricas. Antes mesmo de ir de férias já tinha três vestidos que apertavam. Óptimo.

O pensamento seguinte foi "vou de férias e isto não vai piorar porque de férias muitas vezes como menos". O segundo pensamento foi "isto não pode mesmo mudar porque depois não vou ter tempo para perder o que seja que tenha para perder".

Fui de férias e... encontrei-me com o bolo do caco, com a batata doce, com as pizzas do Papa Manuel, com as semilhas. Encontrei-me com a Poncha, com os amendoins e com as batatas doces fritas. Com a carne em vinho e alho.

Cheguei cá e encontrei-me com a balança.

Contas feitas hoje tenho dois quilos e meio a menos. Amanhã vou ter que entrar num vestido. Dê por onde der!

Como perder dois quilos em dois dias.

Aceitar o convite para jantar em casa de uns amigos que por acaso têm uma filha a recuperar de uma virose manhosa.

Vão ao jantar, acabam por jantar mas só para enganar meninos, porque mal acabam de jantar gregam tudo e voltam para casa à vossa vidinha o mais rápido possível. Passam uma noite de bradar aos céus de corridas para a casa de banho de quinze em quinze minutos. No dia seguinte quando finalmente todo o reboliço sossega dentro do vosso corpo vão sentir uma sensação de vazio descomunal. Isso e desidratação. Assim passam o fim-de-semana fechados para não pegar a virose a ninguém e na loucura conseguem comer alguma coisa que se aguente lá dentro. Tipo um bife de peru e uma canjinha feita pela mãe.

Foi assim o meu maravilhoso fim-de-semana. Estou de volta ao trabalho, ainda com calores acumulados e meio tonta, com menos dois quilos que na sexta-feira. A tentar que o meu estômago aceite alguma coisa e a pedir a todos os anjinhos para que esta sensação passe rápido. Quase que me lembrei da ultima desilusão amorosa que tive e que me levou uns quilos num estalar de dedos. Se precisar fazer dieta já sei, se não estiver próxima de uma desilusão amorosa, apanho uma virose que é tiro e queda.

Sim, estou melhor, obrigada.

Mulheres...


Daquilo que me apercebo, nós mulheres temos uma relação amor-ódio com as balanças. Sim aquela coisa horrorosa que normalmente nos mostra e faz-nos ter a noção a quantas andamos. Ora eu, tenho uma relação óptima com a balança, que é como quem diz não tenho qualquer tipo de ligação devido à nossa distância, nunca a vejo, nunca tenho que ter nenhum tete à tete com ela e desse mesmo modo, não havendo balança não corro o risco de a querer atirar janela fora. Sim nós mulheres sabemos que nessa coisa de gramas queremos sempre umas a menos e mais nada. Pois como não tenho balança, não me peso. Não sorrio mais porque elas (as gramas que falar cá de quilos é muita coisa) baixaram não dá-me os nervos porque elas insistem em subir. Mas a coisa sabe-se na mesma. Na roupa. Sim, é na roupa que noto que estou com mais ou menos peso e diga-se de passagem que quando a roupa começa a ajustar ai ai. Mas não me tira o sono, é que se me enervo ao contrario de muita boa gente que perde o apetite, eu ganho e oh se ganho apetite quando me enervo… isto para dizer que consegui vestir um vestido que comprei no inicio do ano passado para um casório e fica-me mais largo que na altura, apesar do mesmo ser justo ao corpo e foi nele que me fui baseando no conseguir enfiar-me ou não lá dentro. Posto isto hoje consegui vestir as calças brancas que comprei à uns três anos e que raramente usei porque decidi nessa mesma altura ganhar umas gordurinhas… e é isto. Uma mulher ganha novo sorriso quando estas coisas acontecem, quando uma simples peça volta a servir, nem que seja do século passado ou quase.

Da sinceridade.

Ultimamente mais que uma pessoa disse-me "estás mais magra menina!". Eu prontamente responde, olha que não, peso o mesmo" e sinto que ficam naquela do "deves pesar deves, estás agora aí a tentar enganar!". Ontem só para tirar teimas fui pesar-me. Menos 150gramas que no mês passado! Yap, agora venham dizer-me que 150gramas no meu corpanzil dá para dizer estás mais magra!!!

SorrisoIncógnito

É proibida a reprodução parcial/total de textos deste blog, sem a indicação expressa da autoria e proveniência! Todas as imagens aqui visualizadas são retiradas da internet, com a excepção das minhas as quais identifico. Do mesmo modo, este blog respeita os direitos de autor,mas em caso de violação dos mesmos, agradeço ser notificada.