Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

SorrisoIncógnito

Todo o sorriso é apaixonante devido ao incógnito que o ofusca! SORRIR_um estado de espírito...

Esse diabo que te tenta é o mesmo que te dá cabo da vida. E ele existe.

Ontem, na minha ida ao Porto para tratar de uns assuntos e depois de assuntos tratados foi hora de passear por aquelas bandas. Descia eu dos Clérigos em direcção à Rua de Sto António para subir até à Rua Sta Catarina. Ali perdida nos meus devaneios, caminhando com calma já que de pressa não tinha nada, quando chego aos Aliados e aguardo a passagem numa das passadeiras. Vem um grupo de cerca de dez homens. Alii entre os vinte e picos, trinta. Bem-dispostos. Franceses. Ou pelo menos a falar francês e como nem sequer pararam na passadeira ultrapassaram-me. Caminhávamos na mesma direcção até que, um pouco mais à frente surgindo não sei bem de onde há um alguém que os tenta abordar. Insistentemente. Ninguém liga. Insistiu mais um pouco e há uma ave rara que se lembra de abrandar e dar-lhe conversa enquanto os outros do grupo gesticulavam para ele se despachar. Ninguém parou se é que me percebem, caminhávamos todos na mesma direcção. Esse alguém falava-lhe quase ao ouvido e com o braço envolto do pescoço do estrangeiro. Como se conhecessem há bué. Logo vi de que se tratava, como quem não tivesse distraído reparou, do que conversavam. Esse alguém tinha para vender. O estrangeiro deu corda à conversa mais distante do seu grupo. Eu assisti aquilo por uns minutos, sempre na minha. Na minha vontade de desfazer esse alguém que surgiu não sei bem de onde e que se calhar achou o certo para desgraçar, desgraçando-se. É tão triste vidas desta. E diabos. Oh se é.

Venham de lá as chibatadas! # 7

WP_000412.jpg

Aqui me confesso, eu (que sou de cá) nunca subi à Torre dos Clérigos.

 

Devem ter sido os unicos dez segundos que não choveu hoje, quando tirei esta foto. Tirei a foto enquanto ia a passar por ali porque me lembrei desta minha falha. Mas mesmo sendo de cá, serei eu a única?

Da inspiração...

Estás ali e agora. E eles aproximam-se quando a música começa a tocar. Tudo à volta esquece. Os braços sobre o pescoço dele e as suas mãos firmes na cintura dela dão início ao balanço. Os corpos colam-se a música murmurada ao ouvido sente-se. Estás ali e agora. A cara a deslizar sobre o peito e o coração a acelerar. Apanhas o cabelo para o lado e aqueles lábios percorrem o teu pescoço ainda que sem tocar, sentes a respiração. Arrepias. E tudo lá dentro entra em órbitra. Voltas-te, fechas os olhos e sentes a música. E é quando o sentes a desapertar-te o fecho do vestido que esqueces aquilo do ser um sonho. Estás ali e agora. A música não pára, o teu corpo balança, o teu coração pede mais. Aquela barba que se aproxima das tuas costas e faz com que o frio tenha passado mas os arrepios tenham aumentado. Estás ali e agora. Não está frio mas toda ela está gelada. E é nesse momento em que os lábios se tocam, em que os corpos se aproximam, em que tudo o que está em cima da mesa desaparece, em que o desejo é maior, que tens a noção, estás ali e agora.

[ ♥ ]

Bom dia!

Hoje que de tarde me lembrei de ir fazer compras S. Pedro ainda não está bem disposto. Dá para melhorar qualquer coisinha se faz favor? É que o Porto tem mais encanto com sol, além de que compras e guarda-chuva não são a minha praia e nem levo um moçoilo comigo para transportar os sacos. Se não trouxer sacos nenhuns já sabes ao que se deve. S. Pedro tu muito gostas de me estragar folgas. Baaah.

Esperança!

Há uma altura em que olhas e só vês as pedras, os degraus, a chuva e o mar agitado. E esperas ali numa de ultrapassar as pedras e sentir a areia, de ver o sol e da maré acalmar. Há uma altura em que vez o futuro queres ultrapassar o passado e consegues até pensar no hoje. Esperas não apenas sobreviver mas viver cada minuto como se não houvesse amanhã. Há uma altura em que defines um plano, em que traças uma meta, em que sonhas que tudo pode dar certo. Esperas que os contratempos sejam poucos, que o inesperado seja bom e que a força de avançar seja sempre maior que a do dia passado e menos da do que vem. Esperança. É ter esperança.

After sex Selfie!

Isto das Selfies já belisca um bocadinho apenas pelo nome, selfie, selfie, selfie. Como já tinha dito, isto das Selfies já fazem parte da minha mobília, porque desde que me lembro que adoro fotos e quando estou sozinha que remédio tirar eu própria a mim mesma a fotografia, como todos presumo, mas agora é que é. Selfie parece outra coisa. Eu acho que o mundo está de uma obscenidade tal e falta de bom senso que perdeu-se tudo por entre as novas tecnologias, mais concretamente devido às redes sociais. Também já aqui frisei o quanto tudo vai dar ao Instagram (faço eu uma pequena ideia porque nem tenho). Também já conclui demasiadas vezes que em situações perigosas e estranhas primeira tira-se a foto para postar e depois é que se actua. Ainda este fim-de-semana, deu-me uma urticária tamanha ver as redes sociais a encherem-se de fotos ao boletim de voto em plena mesa eleitoral. Que falta de noção minha gente. Aqui há uns dias foi notícia uma mulher que se lembrou das selfies a conduzir, a coisa correu para o torto e imediatamente após ele ter postado no facebook sofre um acidente o qual foi fatal. Nada muito mais a dizer. Mas este mundo anda mesmo assim um bocadinho de cabeça perdida. Agora a moda é outra. Agora não, já há uns tempos, mas a tendência tem sido baixar cada vez mais o nível. Dentro disto das Selfies. #aftersex. Isso mesmo uma selfie depois do sexo.

A sério que há quem acabe de fazer “o Amor” ou “just sex” e a primeira coisa que se lembra é tirar uma selfie para postar online? Really?

O Amor...

O Amor não é certo nem errado. Não é para ser vivido cumprindo regras, planos e linhas de limites que não se pisam. O Amor é para ser a mistura. É ter “brigas” para ter reconciliações ainda melhores. Para dizer "oh cala-te, sai para lá" e no minuto a seguir "beija-me". O Amor é para ser bagunçado. Não o sentimento mas o viver o Amor. Não ser um objecto adquirido que nunca nos pode fugir pelos dedos, mas ter a noção que todos os dias tem que ser fortalecido. O Amor é para ser vivido em pleno. É para nos arrebatar o coração. Para nos prender ao ser feliz. O Amor não é para tornar tudo tão igual, não é para criar rotina. O Amor é para te dar aventura. Para mexer com o teu coração. Amor é para te fazer sentir voar, sentir maior, sentir nas nuvens, a sonhar, sentir Viva. Amor é encostar-te à parede e te faltar a respiração. Amor é não ver a dimensão dos obstáculos e querer sempre vencê-los. Amor não dá para explicar, não tem um sentido. Não tem uma razão. Amor sente-se. Num todo, por todo. Amor enche-nos a alma. Assim ali até ao infinito.

[ ♥ ]

Pág. 1/6

SorrisoIncógnito

É proibida a reprodução parcial/total de textos deste blog, sem a indicação expressa da autoria e proveniência! Todas as imagens aqui visualizadas são retiradas da internet, com a excepção das minhas as quais identifico. Do mesmo modo, este blog respeita os direitos de autor,mas em caso de violação dos mesmos, agradeço ser notificada.