Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

SorrisoIncógnito

Todo o sorriso é apaixonante devido ao incógnito que o ofusca! SORRIR_um estado de espírito...

As pessoas só se sabem queixar!

Só se houve queixas. Povo tremendamente negativo. Quem mais se queixa mais tem, mas já nem vou por aí que me dá logo urticária. Eu ganho mais que o ordenado de lei, não muito mais. Tenho as minhas despesas, as despesas fixas de todos os meses, tenho o carro para pagar, mais os acréscimos que sempre aparecem. E há os mimos, ora porra de vez em quando também tem que ser. E não tenho pais ricos, não tenho quem me ajude, mas não preciso de quem me sustente, sou maior e vacinada. Não sou de me andar a queixar, então porquê? Alguém vai pagar as minha contas? Não! Então vou gastar o meu latim e passar um atestado de coitadinha? Não, não sou, graças a Deus e amor à Santa. Não estou bem na vida, mas há tanta pessoa pior que eu, que ao lamentar-me deveria levar logo dois murros nas trombas. Tenho mãos e pernas para trabalhar, saúde e boa disposição. O que é preciso é arregaçar as mangas e ir à vida. Mas há coisas que me atravessam a garganta e não passam. Temos que ter noção até onde podemos ir, temos que saber poupar, cinco euros por mês? óptimo. Se todos os meses tivéssemos cinco euros negativos é que era o desastre. Mas há quem assim não pense, e gasta o que tem o que não tem, o que lhe oferecem e querem mais. Eu acho bem quando os pais podem ajudar os filhos que assim seja, mas que não levem ao exagero, porque têm que aprender a controlar o que ganham face às despesas que têm sem contar com terceiros. Há e coisa e tal tenho um carro que os meus pais me deram, quando precisa de manutenção vai o meu pai com ele à oficina. Quanto custa um pneu? Sei lá bem, sei que tem jante 15 que isso aumenta um ponto na minha virilidade. Não tem gasóleo? No problemo paizinho vai atestar. Preciso de um computador, pai ouviste? Ah que não tenho dinheiro em casa e para não ir agora levantar não tens aí uns trocos mãe? Roupa? Qual roupa, eu não compro, os meus pais pagam quando vamos juntos às compras. Depois até ganham mil euritos por mês, mas nunca têm dinheiro e sentem-se tremendamente indignados por o dinheiro não chegar para nada. Há e coisa e tal sou muito independente. Não entendo, juro que não entendo. Há muito filho de papá que não tem noção das coisas. Como por exemplo de querer comprar uns sapatos, mas ter que esperar por um mês que dê mais jeito. Ou mesmo que saiba que o único dinheiro a entrar na conta é fruto do suor de um mês de trabalho. Há coisas que me custam a entender e ouvir pais com pena de filhos destes, faz-me ficar vermelha de raiva, porque não dão valor a pessoas que como eu trabalham porque precisam mesmo e que não se podem dar ao luxo de ficar em casa a coçar a micose, pois não têm quem lhe pague as despesas. 

Free words #12


two months, one week, five days

Acordei a pensar em Ti. Tão estranho. Acordei com um sorriso e boa disposição e nem isso deixou que o pensamento em ti passasse para segundo plano. É estranho. Senti saudade, eu nunca disse que era fácil, não é, é apenas mais suportável. E a saudade foi diferente. Senti saudades só de saber se estás bem. De te perguntar e ouvir a resposta. Senti saudade de uma conversa simples como tantas outras, de te contar novidades. Tenho tantas. E era contigo que queria partilhar. É mesmo estranho. I haven't stopped wanting you, Ijust want me more...

Mulheres!

Será só a mim que acontece naqueles dias em que segundo reza a história nos tornamos insuportáveis, uns dias antes ou até uns dias depois, eu tenha um (ou vários) ataque(s) de come-toda-a-porcaria-que-encontrares-pela-frente-ou-se-não-encontrares-procura? Tipo doces, bolos, chocolate, gomas, gomas, sacas de gomas? Rebuçados de todos os feitios e tamanhos? Importa dizer que eu nem ligo a isso no meu estado normal? Mas dias há em que vai tudo, tudo, tudo e quero sempre mais! Oh God!

Devaneios... *9*

Numa noite gelada como a de hoje tudo o que me rodeia é polar. Não chega. É aqui que me falta o teu calor, o teu peito quente junto ao meu, o entrelaçar das pernas e dos pés, o teu cobertor, aquele fofinho, nosso. Depois disto é fechar os olhos e dormir. E tentar não lembrar. Convém.

(escrito esta madrugada antes de adormecer e não lembrei, fechei os olhos e dormi, dormi bem)

Os filmes que eu faço!

Na minha hora de almoço, fui ao médico de família. Comigo levava uma série de exames de rotina para serem vistos pelo dito cujo. Hoje aqui na terrinha está mais um daqueles dias de vento fantástico que me causam sempre imensas peripécias. Saio do carro com os exames todos na mão e qual não é a minha luta, quando o forte vento quase me leva um deles, a minha figura para o agarrar foi tremendamente irrisória. Isto porque estava gente a passar e o exame que se queria escapulir era uma eco aos meus peitos, olhem lá o meu pensamento "deixa-me apanhar esta merda antes que fiquem as minhas mamas escarrapachadas na cara aí de alguém!". Escusado será dizer o quanto me ri imaginando a cena.

Wishlist para amanhã?

Era ter cá o meu mano. Só isso. Não me lembra passar um aniversário meu com ele e queria tanto. Queria muito tê-lo ali comigo, queria muito que ele se juntasse na mesa com os meus amigos. As minhas festas de aniversário são sempre óptimas mas falta sempre ali qualquer coisa. Amanhã também vai faltar, há vazios que ninguém preenche.

Pág. 1/4

SorrisoIncógnito

É proibida a reprodução parcial/total de textos deste blog, sem a indicação expressa da autoria e proveniência! Todas as imagens aqui visualizadas são retiradas da internet, com a excepção das minhas as quais identifico. Do mesmo modo, este blog respeita os direitos de autor,mas em caso de violação dos mesmos, agradeço ser notificada.